Emilio Baldino
Barítono

Apoiado pelo maestro Roberto Eggers e pelo barítono João Gomes Falcão criou, em 1929 as Noites Líricas, contando, também, com a participação dos baixos Antonio Carlos Hartlieb Lima e Pedro Provenzano, dos sopranos Branca Bagorro, Olga de Siqueira Pereira e Elsa Bersano Tschoepcke e dos tenores Armando Mecone e José Antonio Porcello.

Apresentavam concertos com trechos de óperas e mesmo atos completos, acompanhados ao piano por Demófilo Xavier.

Em 1933, sob a liderança de Baldino, montaram Tosca, Rigoletto e La Bohème. Em 1935 repetiram os mesmos títulos.

Em 1936 o grupo tomou a iniciativa de montar a estréia da ópera Farrapos, musicada por Roberto Eggers com libreto de Manuel Joaquim de Faria Corrêa.

As Noites Líricas deixaram de existir em 1937, após a partida de Emilio Baldino para a Itália a fim de aperfeiçoar seus estudos de canto.

A última récita deu-se em 04 de agosto, no Theatro São Pedro, com a encenação da ópera I Pagliacci e da primeira parte do poema vocal sinfônico Colombo, de Carlos Gomes.